Depoimento – Mamãe Simone

Obrigada pela participação Simone, um abraço! =)

Me chamo Simone, tenho intolerância à gluten e lactose, descobri há 5 anos e desde então faço uma dieta rigorosa. Dos 20 anos em diante, aos poucos, comecei a ter sintomas desagradáveis gastrointestinais, mas nunca podia imaginar que se tratava de algo assim. Eu me alimentava um pouco mal, comia muitos produtos industrializados, e trabalhando de dia e estudando a noite, não sobrava tempo para exercícios. Aos poucos fui engordando, e em 2007 estava uns 20 quilos acima do peso.

Com a ajuda de uma nutricionista comecei a fazer uma reeducação alimentar e a emagrecer, bem devagar. Com o acompanhamento mensal ela começou a desconfiar que o gluten me fazia mal e me pediu para cortar por uns dois meses. A diferença que eu senti foi enorme! Aos poucos minha digestão e meu intestino começaram a funcionar melhor, comecei a me sentir bem e a reeducação passou a fazer muito mais efeito. É como se eu estivesse inchada.

Depois, com uma gastro especializada, fiz os testes de rastreamentos e biópsia (tendo que reintroduzir o gluten) que me confirmou duas coisas: 1) eu não era celíaca, felizmente e 2) o gluten de fato me fazia muito mal, pois com a reintrodução tudo voltou. Fizemos então o teste genético e lá estava a prova: eu tenho a propensão genética à doença celíaca. Ou seja, se continuasse a consumir, muito provavelmente desenvolveria a doença celíaca, que é coisa séria e autoimune.

Buscando informação em grupos de apoio, decidi por fazer a dieta 100% sem gluten, vivendo como celíaca, o que é bom, porque eventuais contaminações cruzadas não causam agressão ao meu organismo ainda!

Depois foi a vez de descobrir uma intolerância fortíssima a lactose. Passei a consumir derivados de leite somente com o uso de enzimas digestiva, poucas vezes na semana.

Tudo isso causou uma grande revolução na minha vida, e para muito melhor. Aprendi a cozinhar (minha especialidade são bolos e biscoitos) e principalmente a comer, tenho uma alimentação invejável, super saudável, e até hoje faço retorno na nutricionista, a quem sou muito grata. Voltei ao meu corpo da adolescência mas com mais saúde do que nunca!

Tive sorte pois minha família e meus amigos abraçaram minha causa, são super compreensivos e tem o maior cuidado com minha dieta, até mudaram nossas programações pensando sempre na minha inclusão!

Meu pai passou a fazer a dieta, mas nunca realizou os testes (homens…) e hoje achamos que a mãe dele faleceu em decorrência de um problema no gluten. Há outros casos na família do meu pai mas infelizmente nem todos seguem a dieta 100% sem gluten.

Ano passado, antes de engravidar, fiz meus exames para me certificar de que estava 100% saudável e estava. Engravidei logo e dia 5/2 /2013 nasceu nosso Heitor. Ele está com 3 meses e meio. A gravidez foi tranquila. Consumia no máximo 1x/semana derivados de leite e, embora evitasse ao máximo por não me fazer bem e tampouco ser saudável para o bebê, ocasionalmente consumia algo com soja. Ele nasceu super saudável com 3,085kg e 48cm, as 40 semanas e 2 dias, mamou bem somente leite materno em livre demanda desde o 1o dia e tem engordado de 800 g a 1kg por mês, apesar disso acabou de entrar na curva de percentil 25. Desde o 1o dia ele nunca dormiu bem, sempre teve um sono inquieto, teve muita cólica, com pico aos 19 dias e uma melhora significativa pelos 50 dias e que agora praticamente sumiu. Após a vacina dos 2 meses ele apresentou febre, muco nas fezes em grande quantidade por uns 2 dias, tosse e catarro. Desde então algumas vezes há um pouco de muco nas fezes, que vão desde amarelo ovo a amarronzado, mas geralmente são verdes. A pediatra disse ser uma virose.

Aí realmente começaram os problemas de sono dele. Ele parecia não aceitar ficar no berço, queria dormir só no colo. É como se tivesse um sensor que detectasse quando encostava no colchão e o acordava (rs). Achei, na minha ignorância, que ele tivesse ficado mal acostumado porque nos dias em que teve febre, dormi sentada com ele no meu colo. Ainda bem que nunca deixei ele chorando, pois hoje sei que ele tinha dor! Ainda bem, também, que nunca caí naquela historia “esse bebê está mamando demais”, porque hoje sei que ele queria mamar para aliviar o desconforto, a queimação. E ele começou a mamar como um louco mesmo depois da vacina / virose. Era a única defesa que ele tinha, afinal! Pra piorar a situação ele adora dormir mamando… Então não raro o deitava após esperar uns 10 minutos que ele arrotasse ou diretamente sem nem esperar quando ele não aparentava ter engolido ar.

Foi por volta desse período ele começou com um refluxo intenso, arrepios, parece ruminar, engolir vômito, enfim, aparenta desconforto. A boquinha dele me parece azeda desde que ele nasceu, como uma azia e ainda no hospital voltou leite pelo nariz, com dois dias de vida (que susto, e ainda bem que estava lá pois as enfermeiras acudiram e me instruiram, e ainda bem mesmo que nunca mais aconteceu).

Agora a pediatra receitou medicação para refluxo oculto. Mas levei ele na gastropediatra que por sinal é quem trata os meus problemas e ela desconfiou de APLV. Fez biopsia e me pediu para excluir por completo leite e derivados e soja, pois o quadro todo dele pode mesmo ser de alergia, só não tendo reações mais graves por conta da minha dieta. Desde que ele nasceu só consumi manteiga e raramente e evito soja ao máximo mas agora ela pediu pra nem comer fora de casa e cuidar com contaminação cruzada, o que eu realmente não fazia.

Comecei a caprichar nas medidas posturais para bebê com refluxo, embora desde recém nascido, por recomendação da pediatra, tanto o trocador quanto o berço já estão na inclinação correta, mas agora fico mais de 30 minutos com ele em pé após as mamadas, ás vezes até que ele arrote e chega a demorar mais de uma hora!

Seja por isso ou pelo início da medicação, ontem foi o melhor sono que o meu bebê teve na vidinha dele. Acordou pouco para mamar. Agora estou bem feliz e esperançosa de que a minha dieta e mais todas essas medidas dêem mais qualidade de vida para o meu pequeno!

E grata por já fazer uma dieta que não prejudicasse o organismo dele. Não fossem os meus problemas, ele teria tido alguns bem mais sérios! Penso: esse bebê veio escolhido a dedo pra mim, que já lido com tudo isso com normalidade. Não é mesmo?

Anúncios

Um comentário sobre “Depoimento – Mamãe Simone

  1. Obrigada, Samanta! Adorei contribuir. Espero que o meu relato sirva de alerta para as pessoas em geral: temos que ficar atentos aos sinais que o nosso corpo dá. Porque eu estava, e porque fui bem assistida, consegui evitar a doença celíaca e todas as suas conseqüências. E para as futuras mamães, que, se puderem, certifiquem-se antes de engravidar que sua saúde esteja 100%. Tenho certeza de que seu nunca tivesse descoberto o gluten, teria tido muuuuito desconforto na gravidez, e pior, meu filho estaria sofrendo agora.
    Beijos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s